Marchas Nupciais Famosas

Marchas Nupciais Famosas

Ouvir a marcha nupcial é o grande desejo da maioria das moças solteiras. O som inconfundível da canção faz a gente logo se imaginar entrando na igreja, toda linda no vestido de noiva, com o homem dos sonhos esperando no altar.

Por falar em Marcha Nupcial, você sabia que, na verdade, são duas as marchas nupciais mais famosas? Isso mesmo! A de Felix Mendelssohn e a de Wilhelm Ricard Wagner. Vamos conhecer um pouco mais sobre a história de cada uma.

Marcha Nupcial de Felix Mendelssohn

Felix Mendelssohn era compositor, maestro e pianista. Nasceu em Hamburgo, na Alemanha, no dia 03 de fevereiro de 1809. Faleceu no dia 04 de novembro de 1847. Uma de suas obras mais famosas é a suíte Sonho de Uma Noite de Verão. Nela, está inclusa a sua marcha nupcial muito famosa.

Felix Mendelssohn escreveu a obra Sonho de Uma Noite de Verão inspirado por uma obra de William Shakespeare que carregava o mesmo nome. Essa obra era uma peça de teatro.

A obra Mendelssohn foi produzida aos poucos, em vários momentos de sua vida. Entre o período de 8 de julho de 1826 até 6 de julho do mesmo ano, ele compôs a abertura do concerto. No ano de 1942, ele compôs a música incidental para compor a obra de teatro, onde ele adicionou a abertura que já havia produzido. A Marcha Nupcial está inclusa nessa música incidental.

Marcha Nupcial de Wilhelm Ricard Wagner

Wilhelm Ricard Wagner era um compositor, teórico musical, maestro, poeta e ensaísta. Ele nasceu no dia 22 de maio de 1813, em Leipzig. Ele contribuiu muito para a música, tanto com suas composições, como na orquestração. Ele foi o compositor de uma das marchas nupciais mais famosas que existe. Ela é muito conhecida no Brasil com o nome “Lá Vem a Noiva”. Essa composição é muito famosa.

Segundo a tradição, toca-se a Marcha Nupcial de Wagner na entrada da noiva e a Marcha Nupcial de Mendelssohn, quando os noivos estão saindo da igreja, ou seja, no final da celebração. No entanto, algumas religiões chegaram a proibir o uso da Marcha Nupcial de Wagner por causa da inclusão de alguns temas pagãos em óperas do compositor. Por isso, a Marcha Nupcial de Mendelssohn, passou a ser usada na entrada da noiva.

Hoje em dia, é comum as noivas optarem por várias outras opções de músicas para a sua entrada. Porém, a Marcha Nupcial de Mendelssohn tornou-se uma verdadeira tradição em casamentos.

Outras Marchas Nupciais

Além das duas marchas nupciais mais famosas que existem, que são a de Wagner e de Mendelssohn, existem outras coadjuvantes tão lindas quanto as duas. Veja abaixo mais 8 opções de músicas clássicas mais tocadas em casamentos:

  • Ave Maria, de Bach/Gounod, escrita em 1853 pelo compositor Charles Gounod. A melodia, Gounod compôs a partir de uma composição de Bach. Por isso é que a composição ficou conhecida como Logo depois, ele juntou a letra “Ave Maria” com a melodia e dedicou para a sua namorada. Ave Maria de Bach/Gounod. Uma curiosidade é que Gounod dedicou-se, no fim da sua vida, à música religiosa. Já Bach, está entre os compositores protestantes mais famosos da história. Isso significa que a composição “Ave Maria” é uma obra que resultou do trabalho de um católico com um protestante.
  • Jesus, alegria dos homens, de Johann Sebastian Bach: foi composta em 1716. É muito tocada na entrada dos pajens e das daminhas, por ser uma canção bem suave.
  • Pompa e Circunstancia, de Edward Elga (Land of hope and glory): após Elga compor as Marchas de Pompa e Circunstancia, em 1901, pediram que ele fizesse uma adaptação com a letra de A.C Benson, resultando em Land of hope and glory.
  • Primavera, de Vivaldi: uma das composições favoritas dos casais para sair da igreja. Linda demais! Faz parte de um conjunto de concertos de Vivaldi composto em 1725. 
  • Ave Maria, de Franz Schubert: o nome original da canção é Ellens dritter Gesang. Em português fica “Terceira Música de Ellen”. Composta por Franz Schubert em 1825. Fazia parte do seu Opus 25, configuração de 7 canções do poema épico popular de Walter Scott. O coro da canção e as palavras usadas na abertura são o que confunde e faz e parecem uma adaptação da melodia como a base da oração “Ave Maria”. Ou seja, a composição de Franz Schubert nunca foi a canção “Ave Maria”.
  • Canon, de Johann Pachelbel: estima-se que a cação tenha sido composta em 1690. Não se tem muita informação sobre essa canção. Dizem que ela teria sido composta para o casamento do irmão do também compositor, Bach, no ano de 1694. No entanto, não há nada que comprove essa hipótese.
  • Zadok the Priest, de G. F. Händel: composição feita para coroação do rei George II, na Inglaterra, no ano de 1727.
  • Feuerwerksmusik, de G. F. Händel: composta em 1749 por George Frideric Handel. Foi um pedido do rei da Inglaterra, George II, para a festa no Green Park, dos fogos de artifício, em Londres, no dia 27de abril de 1749. Eles comemoravam o fim da Guerra da Áustria, e também a assinatura, em1748, do Tratado de Aix-laChapelle. 

Gostou? Curta e Compartilhe!

Categoria(s) do artigo:
O Grande Dia

Artigos Relacionados


Artigos populares

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *